Nailê Rabelo Atelier

aquarelas|sketches|textos|eventos

Jundiaí - São Paulo - Brasil

11 2434 1922   /    11 9 5302 0252 

  • Facebook
  • Instagram
  • Pinterest

© 2019 por Nailê

  • Facebook
  • Instagram
  • Pinterest

Na Folha, Folhas 1/3

Atualizado: 27 de Dez de 2018


Essa é a minha história de amor

De encontrar-me fonte

Beber daquela água

Me ver naquele espelho

E matar a minha sede

.

Vou contar em três pinturas

Na Folha, Folhas

.

Hoje sou passado

Muito ultrapassado

Profundamente arraigado

De força

Reforça

Porém um fim

.

Era uma vez

Eu menina

Que nasci borboleta

Adorava

Quando lembro...

Cresci voando

Rindo enquanto

Até que fiz uma promessa

Foi sozinha,

Bem, mais ou menos

Ato sim, sempre

Contrato não

E coloquei-me no casulo

Era caminho errado

Eu meio que sabia

Não sabendo

Vendo

Sentindo

O frio do mármore

Se...Mas eu...Não...Não!

Mas quem fez esse plano?!

Diacho de planta

É meu esse mapa!

Eu confesso, tentei fazer o inverso

Eu Fiz

O problema é que eu tentava muito

Tentava tentava

Eu sempre conseguia

Até que consegui

Virei a lagarta

Fiz Ó com fumaça

Com sorriso irônico

Mas ainda lagarta...

Mantinha as cores de borboleta

Mas não importava...

Só me fazia lembrar mais

Dos vôos

Dos pousos

Dos riscos

Dos rabiscos

Da pincelada

Da emoção

De quando

Fazia gravidade zero

Confiava

Aprendia

Profundos

Que entendo só hoje

Mas eu disse

Então fiz valer

Cada conquista um marco

Em mim eu marco

Mas no fundo

Marcava

O pedaço que

Eu perdia

A parte

Que morria

E eu não parava

Corria

O vento

Me cegava

Eu tentava o caminho

Imersa

Submersa

No fundo eu sabia

Era estrangeira

Era ilegal

Naqueles passos avessos

Depois de muito tempo

No mesmo diferente

Que não pertencia àquele lugar

Mas eu

Largava...

Lagarta...

Outra coisa importava,

Então eu deixava

Seguia de cabeça baixa

Pisando nos detalhes

Com olhos acima, verdade

Mas ir assim cansava...

Eu deixava as pedrinhas

Pra marcar o caminho

Quem sabe voltar?

Aiii não... Era bom, passado!

Talvez fosse só pra ver

Talvez só pra ser

Completar

Talvez fosse a dor necessária

Pisar em cacos

Talvez pra ter de onde renascer

Pra reconhecer

O tudo

O todo

A parte

As partes

Do sim ao ainda não

Pra Ajudar

Pra Recomeçar

Mas minha cabeça doía

Como doía..

Era aquela posição,a disposição..

A imposição

A castração..

Eu tentava

Eu fazia

Em mim

Comigo

Me cansava

Paralisava

Penso que de tanto usar

Mas aquela,sua vez

Cérebro

O bom é que aprendi como funciona

Lições, anotei

Risquei, rabisquei

Desenhei

Naquele plano

Mas tinha mais...

 textos...