Galáxias Caídas

Atualizado: 27 de Dez de 2018


Todo nascer do sol

Traz a nova melhor

Possibilidade de iluminar

É sempre o renascer da última

A chance de retornar ao primeiro

Que chama

Verdade

Você vem?

O chamado sempre vem

É uma escolha

É individual

Não causal

De Poder

Apenas decidir

Já é queimar

Antigos reinados que

Já não vigoram mais

E passar passados que

Já não vivem mais

É deixar.

O pobre ser divino que

Fora coroado por anjos

Durante o renascer

No novo sopro de uma das vidas

Pobre criança

Fadada a frígida crença do falador São Tomé

Que fala e fala em sua língua antiga nativa

E antes mesmo de Poder calá-lo

Sob o fardo do farto manto

Vê-se obrigada,

Incapaz de balancear-se,

Sob aponte da flecha

Afiada

Impossibilitada de se quer pensar-se ou pesar-se

É golpeada pelo sussurro quente da

Conformidade

Em seu pescoço

Uma qualquer espada,

Mascarada de cetro

Sob desculpa de título real

Em ombro esquerdo

O falso ouro resplandece

Entre julgos sociais

E culpas religiosas

Sob a falsa luz cintilante de diamante

Em ombro direito

E vice-versa

Se perfaz,

O puro antigo reinado vê-se subjugado

De joelhos

Sob o olhar torturador do

Atroz enganador ator

Definhar sua essência.

Autos Impostos

Deixados de lado

Arautos Depostos

Dessas, essas e todas aquelas

Quaisquer lutas por

Tronos decompostos

Verdades de status imperfeitos quo

E todo meio termo (ir)real

Aclamado Normal

É flagelar-se

Até o ser pequeno gafanhoto

Que Vibra

O rabo da víbora

Cada vez mais alto

Cada vez mais profundo

Em desconhecer-se

Conquistada do ser

Diminuir-se

Até ser

Incapaz de sentir o fresco hálito

De Morte lhe sussurrar

Sobre ser deposto

“Cortem-lhe a cabeça”

É assim! Ser(z)ão assim!

Novos são renascidos

De ser único

De um uno de dois

Em reinado

Agora sim é sobre ser divino

Encontrado nesse reino de céus

Jardins conquistados

É ser absoluto

Com ouvidos moucos

Escuta apenas um pulsar

É ser amor

Com olhos vendados

Vêem apenas uma única luz

É ser puro

Com mãos que tecem amores

Trabalham com afinco

É ser poder

Com mentes mudas

Atentam-se em foco

É ser soberano

Com bocas que cospem flores

Abençoados bendizeres

É ser legítimo

Na fé cega, cega fé

É ser leal, para com a onda

É ser digno, a um rei

E somente assim

Será vívido em César

Sem ansiar ser vivido

Ser requerente

De tudo já existente

Dentre a infinita possibilidade

Já vigente

O seu/ser único

De manifestar-se

Agora

E com coragem de apoderar-se

Apossar-se daquilo que se tem de mais precioso

Para então renascer

Em único ser capaz da criação

E assim, tudo mais lhe será acrescentado

É simples...

É imaginação

De um uno co/com criador

Feito de dois

É simples!

É mecânica quântica!

 textos... 

Nailê Rabelo Atelier

aquarelas|sketches|textos|eventos

Jundiaí - São Paulo - Brasil

11 2434 1922   /    11 9 5302 0252 

  • Facebook
  • Instagram
  • Pinterest

© 2019 por Nailê

  • Facebook
  • Instagram
  • Pinterest